PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAR A AUTORIZAÇÃO PARA PODA DE ÁRVORES

Comparecer na sede da Secretaria de Desenvolvimento Ambiental com CPF e RG, nome do podador, com uma semana de antecedência.
• A autorização é emitida no momento da solicitação, salvo necessidade de avaliação técnica da árvore.

LEMBRAMOS QUE REALIZAR PODA DRÁSTICA É PROIBIDO!

Tipos de poda

Limpeza
A limpeza deve consistir em poda seletiva para remover galhos mortos, doentes ou quebrados.

Desrama ou raleamento
A desrama ou raleamento deve consistir em poda seletiva para reduzir a densidade de galhos vivos.
Convém que a desrama ou raleamento resulte em distribuição equilibrada de ramos em galhos individuais, não comprometendo a estrutura da árvore.
Não é recomendado que se retire mais que 25 % do volume da copa que cresceu após a última poda.

Elevação
Elevação deve consistir em poda seletiva para fornecer espaços verticais.
Convém que a necessidade de espaço vertical, a localização e a variação de tamanho dos galhos a serem removidos sejam especificadas.

Redução
A redução deve consistir em poda seletiva para reduzir a altura e/ou a largura da copa e por consequência a área e volume da copa, sempre obedecendo à arquitetura típica da espécie.
Deve-se considerar a tolerância da espécie a esse tipo de poda.

Poda de condução em árvores jovens
Recomenda-se a limpeza e a remoção de galhos que se atritem com outro ou com fraca ligação ao ramo de origem.
Convém que se promova o desenvolvimento de um ou mais ramos-líderes, quando apropriado.
Recomenda-se selecionar e manter uma distribuição de galhos estruturais equilibrada.
Recomenda-se a remoção de galhos que interfiram com elementos construídos e/ou equipamentos urbanos, desde que não prejudiquem a estrutura original da copa da árvore, objeto da intervenção.

Árvores jovens
As razões para se podar árvores jovens podem incluir, mas não se limitar, a redução de riscos, manutenção ou melhoramento da saúde ou da estrutura da árvore, melhoria de aspectos estéticos ou atendimento a uma necessidade específica.
Convém que, em situações nas quais árvores jovens não tolerem podas recorrentes e apresentem potencial para crescer junto a pontos de conflito, seja considerada a possibilidade de seu transplante após verificarem-se exaustivamente as alternativas para melhor alterar o espaço disponível para que tal árvore possa continuar sem a necessidade de podas recorrentes.

NOTA Entende-se que árvores de grande porte podem ultrapassar esses pontos e desenvolver suas copas sem entrar em conflito com elementos construídos.

Emergencial
Esse tipo de poda é realizado a qualquer momento, sem a necessidade de programação, pois visa resolver problemas emergenciais causados por galhos de árvores que ofereçam riscos imediatos a terceiros e/ou a serviços de utilidade pública.

Latada
Galhos que se estendem para além do plano de crescimento devem ser podados ou amarrados ao fio de condução.
Convém substituir os amarrilhos sempre que necessário, a fim de evitar estrangulamento de galhos nos pontos de amarração.

Restauração
A restauração deve consistir em poda seletiva para aprimorar a estrutura, forma e aparência de árvores que tenham sido severamente destopadas, vandalizadas ou danificadas.
Recomenda-se especificar a localização na árvore, a variação de tamanho e o percentual de brotações que devem ser removidos.

De raízes
A poda de raízes não é recomendada, devendo ser priorizado o aumento dos canteiros e alternativas a essa poda, que, caso imprescindível, deve ser feita com ferramentas adequadas, com cortes que devem resultar em uma superfície plana, não permitindo o ressecamento do tecido, a uma distância e intensidade que não comprometa a estabilidade e a vitalidade do vegetal.

Poda de palmeiras
É recomendada a realização de poda de palmeiras quando fronde, inflorescências, frutos e pecíolos puderem criar uma condição de risco.
Não é recomendada a remoção de frondes vivas e saudáveis que se iniciem em ângulo maior ou igual a 45° com plano horizontal na base das frontes.
Recomenda-se a retirada de folhas junto à base do pecíolo sem causar danos aos tecidos vivos do estipe.
Recomenda-se que a descamação da palmeira (barba) seja feita pela remoção apenas das bases de frondes mortas no ponto onde elas entram em contato com o estipe, sem causar danos aos tecidos vivos.