Frei Paulo Luig foi o sexto frade que chegou a Itápolis para servir no Convento Franciscano, localizado anexo à igreja Matriz em 1956. Nascido na Alemanha, no dia 29 de junho de 1886, Frei Paulo veio para o Brasil onde estudou Filosofia e Teologia nos conventos de Blumenau e Petrópolis. Em 20 de dezembro de 1910 recebeu a ordem do sacerdócio.
Trabalhou muitos anos como professor no Colégio Santo Antônio, Petrópolis, e em 1918 foi transferido para a Paróquia de São José, Santa Catarina. No ano de 1920 foi nomeado vigário de Santo Antonio do Pari em São Paulo, onde levantou uma das maiores igrejas da época, além de construir um Convento e um Grupo Escolar para 2.500 crianças.
Foi transferido para a Paróquia da Boa Vista, de São José do Rio Preto, onde levantou a mais bela igreja da Diocese: o Santuário de Nossa Senhora Aparecida. No mesmo templo fundou a Casa de Santo Antônio para as crianças pobres e outras creches.
Chegou a Itápolis em 1952, contribuindo muito para o engrandecimento da cidade. Em 5 de fevereiro de 1956 assume as funções de vigário da Paróquia do Divino Espírito Santo, substituindo Frei Edwino Engelmeier, ano no qual ele substituiu o piso velho da Matriz com um novo de cerâmica.
No ano de 1957 adquire para o coro da Matriz o órgão da Matriz de Araraquara. Em 1960 Frei Paulo Luig comemorou seu jubileu de ouro sacerdotal e neste mesmo ano, também, inaugurou a igreja de Nossa Senhora do Carmo, localizada da necrópole municipal.
Em 1961, com sua benção, inaugura-se a Capela do Sagrado Coração de Jesus, construída no terreno do Lar São José. Frei Paulo, também, coordenou a construção das Capelas de Santo Antônio de Pádua e de Nossa Senhora Aparecida.
Frei Paulo Luig tinha pressa... Pressa de construir, pressa de contribuir para o bem estar social. Com o andar apressado, acompanhado das inseparáveis sandálias franciscanas, trazia sempre consigo santinhos guardados nos bolsos internos do hábito para dar às crianças que encontrasse no seu caminhar.
Em 1962, no dia 11 de fevereiro, deixa as funções de vigário da paróquia itapolitana e retorna a São Paulo, onde veio falecer tempos depois.
Nem ele esqueceu de Itápolis e nem Itápolis esqueceu o incansável Frei Paulo Luig, eternizado em uma das principais ruas de nossa cidade e em nossos corações.
 

*Com dados extraídos do livro Nossa Terra Nossas Raízes da autora Nancy Hauers.

Imprensa Prefeitura de Itápolis