Você já pensou batalhar para conquistar a casa própria, quitar o pagamento de todas as parcelas de um financiamento e não obter a escritura? Foi essa a realidade vivencia pela moradora do Jardim 2000, Sandra Alice Martins. Residindo há 27 anos no bairro e há 10 anos já tendo quitado as prestações da CDHU, ela aguardava o momento no qual saberia que a residência era sua de fato!

“Estou feliz por, finalmente, ter a escritura em mãos, agora posso por a cabeça no travesseiro com a certeza que está tudo certo”, desabafou. Na manhã desta quarta-feira (9), Sandra se juntou ao grupo de mais de 150 famílias do Jardim 2000, Esperança, Vitória, Sol e Jardim Progresso de Tapinas que, desde o ano passado, estão conseguindo regularizar a situação do imóvel e obter a tão esperada escritura definitiva.

Este trabalho é resultado da Prefeitura de Itápolis em parceria com a CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano) e o Governo Estadual. A Secretaria de Habitação desenvolve este Programa de Incentivo a Regularização oferecendo todo suporte aos mutuários, orientando- os sobre os procedimentos necessários. Inclusive, levando documentos até a regional da CDHU Araraquara e buscando solucionar demais pendências. “Também realizamos orientações quanto a processos de transferência e casos de regularização de débito”, pontuou o secretário da pasta.

Uma das preocupações do prefeito ao assumir a gestão municipal era dar segurança a esses proprietários e tantos outros que ainda estão resolvendo sua regularização. “É impensável constatar que essas pessoas esperaram 27 anos para ter o direito à escritura da casa própria e poderem obter uma linha de financiamento que as possibilitassem realizar melhorias na residência ou até negociar o imóvel”, disse o prefeito.

Este era o caso de Sônia Iris de Oliveira, proprietária de uma casa no Jardim do Sol, que havia vendido há 2 anos, porém não podia regularizá-lo. “Foi um alívio poder resolver essa situação”, comemorou. Otacílio Antônio Medicce, que tinha residência no Jardim 2000, também aguardava a regularização desde 2011. “A gente precisa ter em mãos o que foi pago, a escritura é nossa segurança”, declarou.

“Ficamos satisfeitos em auxiliar estes itapolitanos que cumpriram seus compromissos com a CDHU e precisavam legalizar seu imóvel”, explicou o vice-prefeito. Essas famílias haviam quitado o financiamento junto à CDHU e não conseguiam registrar o imóvel em cartório pela falta de escritura, que é fornecida gratuitamente pela CDHU aos mutuários. Agora eles só precisam custear o registro do imóvel e o recolhimento do imposto relacionado.

Os Bairros Santo Antônio e Jardim Europa de Nova América, Alvorada de Tapinas e Silveira, Sol, Esperança I, Fraternidade e São Benedito de Itápolis, estão inseridos nas regularizações do Programa Cidade Legal da Secretaria Estadual de Habilitação, por meio do qual a Prefeitura de Itápolis também está providenciando as escrituras.

“Continuaremos trabalhando para facilitar a vida das pessoas. No ano passado alteramos os trâmites para apresentação de projetos junto à engenharia da prefeitura para construções e reformas e ampliamos o prazo para regularização de imóveis fora do padrão na cidade, além deste trabalho de obtenção das escrituras. Estamos pensando em todos os itapolitanos, cada um com sua particularidade, no intuito de fazer a cidade crescer e se desenvolver”, concluiu o prefeito.

 Imprensa Prefeitura de Itápolis